Como achar um bom problema que vale a pena ser resolvido

Toda vez que iniciamos um novo projeto buscamos dedicar um bom tempo para entender profundamente o problema que estamos resolvendo e a motivação para fazê-lo. Isso porque a maior parte dos empreendedores não entende que sem um bom problema a ser resolvido, um que seja realmente uma grande dor para seus clientes, o seu negócio não vai ter sucesso. Ter isso bem entendido e definido é a chave para iniciar um novo produto digital.

Quando comecei a empreender o que me motivava era sempre uma ideia. Uma solução para um problema. O problema em si era sempre secundário e eu nem perdia muito tempo pensando nele. Passava mais tempo pensando em zilhões de funcionalidades e possíveis soluções. Era o que me motivava. A maior parte das pessoas é assim como eu era. Acredito que seja natural isso, principalmente quando se está iniciando na jornada empreendedora. A motivação normalmente vem da solução. Do resultado final que você busca. E foi isso que me levou a criar 4 startups. E a falhar em todas elas...

Até que um dia eu entendi que eu estava fazendo as coisas da forma errada. Pois as pessoas não compram solução, mas sim a resolução de seus problemas! E se você não entender isso agora, do jeito fácil, o mercado vai te ensinar essa lição do jeito difícil. Acredite, eu sei o que estou falando! Por alguma razão eu particularmente escolhi aprender do jeito difícil. Fracassando... Mas pelo menos posso contar minha história agora! Sem um bom problema você não vai conseguir convencer as pessoas de que você faz é importante, seja um cliente, um investidor ou um membro do seu time. E sem esse convencimento você não vai a lugar algum.

Mas como encontrar um bom problema?

Você primeiro tem de entender se conhecer muito bem. Saber o que te motiva. Algo que você realmente se importe. Os melhores problemas vão ser aqueles que se relacionam com você de uma forma profunda. Que você se identifica. Pense em algo que você estaria disposto a dedicar a sua vida inteira. Pode ser reverter o aquecimento global, acabar com a fome, curar o câncer ou qualquer outra coisa que te motive profundamente. Algumas pessoas amam ganhar dinheiro ou fazer negócios. Isso também pode ser a sua motivação. Não há ninguém julgando você aqui. Busque ser verdadeiro consigo mesmo. Não há certo ou errado.

Para mim sempre foi a ideia de lançar novos produtos. É o que eu amo fazer! Gosto de analisar ideias, problemas e pensar no negócio por trás. Planejar, criar estratégias, coordenar esforços, etc. Eu amo iniciar novas ideias. Dar "vida"a elas. E acabei fundando uma empresa que ajuda as pessoas a fazer isso. Ajuda a transformar seus sonhos e ideias em realidade. Esse é a minha paixão. E você tem de achar uma para você também, pois vai ter de dedicar uns bons anos da sua vida a isso. E algumas vezes você vai ter de tomar decisões difíceis que impactam a vida de outras pessoas. E se você não tiver uma motivação muito forte não vai conseguir superar os obstáculos.

O segundo passo é definir um problema e ir afundo nele. Durante a minha jornada empreendendo eu acabei encontrando algumas técnicas que ajudam nesse processo. Na COSMIT nós usamos duas em específico. A primeira é foi criada por Manu Kamur e diz que você tem de pensar em 4 dimensões de um problema para descobrir se ele vale a pena ser resolvido. Elas são: Frequência, Densidade, Dor do problema e "Desgaste" da dor. Ele explica desta maneira:

  • Frequência: com que frequência o problema ocorre?
  • Densidade: quantas pessoas tem este problema?
  • Dor: as pessoas se importam com isso (é uma vitamina ou um analgésico?)?
  • Desgaste: o quão difícil é para os teus clientes encontrar você, usar os teus serviços e pagar por isso?

A outra ferramenta é os 5 porquês que foi criada por Sakichi Toyoda, da Toyota. É usada para achar o problema raiz ou, como ele costumava falar, o problema escondido que normalmente você não vê, através da repetição da pergunta por quê? até cinco vezes. Cada resposta a uma pergunta vai ser a base para a próxima e assim por diante. Eu costumo dizer que o seu problema não resistir até a terceira ou quarta pergunta, caindo em um loop ou não tendo resposta, não é um bom problema a ser resolvido. Se isso acontecer as tuas opções vão ser ou tentar responder as perguntas de uma forma melhor ou tentar achar outro problema. Para você entender eu vou dar um exemplo de como poderia ser:

As pessoas têm ideias mas não as lançam (problema superficial)
Por quê? Medo de perder tempo e dinheiro
Por quê? Não tem confiança para fazer
Por quê? Não sabem por onde começar
Por quê? Falta um bom planejamento e validação
Por quê? Porque não tem experiência no planejamento e execução de projetos (problema raiz)

E é por isso que grande parte do meu trabalho é passar a minha experiência planejando e executando projetos. Porque sei que esse é o grande problema das pessoas que eu ajudo. E também é por isso que tudo o que fazemos tem o envolvimento de nossos clientes. Porque a experiência ensina muito!!

Conclusão

Problemas que valem a pena podem ser difíceis de se encontrar. Especialmente porque você tem de dedicar um bom tempo analisando a si mesmo e o impacto que quer produzir no mundo. É um exercício de autoanálise. E também porque a maior parte das pessoas se satisfaz com problemas superficiais que as leva a criar soluções fracas. Mas se você dedicar um bom tempo a isso e praticar bastante você vai acabar achando um bom problema para o seu negócio resolver.

Lições aprendidas

  • Um problema fraco vai te levar a falhar;
  • Encontrar a sua motivação a chave para o sucesso;
  • Usar a técnica da Frequência, Densidade, Dor e Desgaste ajuda a testar se um problema vale a pena ser resolvido;
  • A técnica dos 5 porquês te ajuda a encontrar a causa raiz de qualquer problema.
Autor:
Gabriel carpenedo
Gabriel Carpenedo
Acredita profundamente no potencial das pessoas de mudar o mundo. Sua experiência com startups, desenvolvimento e design lhe dá uma visão holística do desenvolvimento de produtos digitais.
Compartilhe: